Empresa brasileira cria tecnologia que bloqueia celular em presídios

bloqueiocelularpresídio

Tecnologia foi desenvolvida pela Innovatech Telecom e está em teste no centro de detenção de Mogi das Cruzes (SP).

A empresa brasileira Innovatech Telecom criou um software que bloqueia ligações de celulares em presídios. Em teste desde outubro no Centro de Detenção Provisória de Mogi das Cruzes (SP), relatório recente mostra que a tecnologia teve aproveitamento de 100%.

A tecnologia foi desenvolvida com apoio Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) agência de fomento do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Segundo a entidade, o projeto da Innovatech mostra resultados promissores na área de segurança pública.

“O apoio da Finep à Innovatech Telecom tem sido essencial no sucesso desse projeto, pois graças a ela conseguimos desenvolver 100% da tecnologia no Brasil, desde software e hardware até o processo de produção”, conta o diretor da empresa, J. Sindi Yamamoto.

A Innovatech recebeu um financiamento de 1,6 milhão de reais para criação do bloqueador de celular por meio do programa de Subvenção Econômica da Finep, em seu edital de 2008.

Por ser totalmente nacional, o custo do produto gira em torno e 600 mil reais a unidade composta por hardware e software, enquanto um similar importado chega a 1 milhão de reais. Outra vantagem é que, ao contrário de outros sistemas com a mesma finalidade, o da Innovatech não interferiu em celulares fora da prisão.

Por questões contratuais de confidencialidade, a empresa fornece detalhes sobre a tecnologia. Basicamente, ela funciona como um “ímã” de ligações, que “atrai” e identifica qualquer celular ou rádio tipo Nextel ligado dentro da área definida. O sistema permite realizar chamadas, mas não as completa. A partir daí identifica dia e hora, número chamado e quanto tempo durou a tentativa. Além disso, o software não permite que ligações de fora para dentro do presídio sejam completadas.

*Com informações da Agência MCTI/Finep

Fonte – http://idgnow.uol.com.br

Deixe uma resposta